Sextilhas

por aderaldo

Participo da comunidade Cordel no Orkut e lancei um tópico incentivando os outros comunitários a seguir o modelo de sextilha que deslizo a seguir. O tópico cresceu e todos passaram a se manifestar de acordo com sua inspiração. O sucesso da resposta levou-me a reproduzir aqui as matrizes incentivadoras. A numeração segue a ordem de postagem.

1.

1 mote de cantador
2 cantadores na sala
3 salas sem entrar tiros
4 tiros na senzala
5 senzalas sem portas
6 portas contêm a fala

A fala rompe as seis portas
Portas de cinco senzalas
Senzalas com quatro tiros
Rompendo suas três salas
Estas com dois cantadores
E um mote em forma de balas

2.

O olho a ré é repolho
O fã em dupla é fandango
O medo ardido, arremedo
O tantan gago no tango
O mar num caco, macaco
O rango, do orangotango!

3.

Estive ausente, voltei
Se voltei, estive ausente.
Contentemente sorri,
Se sorri, foi de contente
Na volta ninguém se perde:
Água boa é da nascente.

4.

A pedra polida é faca
a faca amolada talha
tirando leite de pedra
e o leite cortado coalha
Os pobres que não têm leite
têm pedra como mortalha

5.

Não falo da fala, falo
do falo que esfolo vivo
sem olvidar o ouvido
do fole que toca esquivo
enquanto os sapatos dançam
dando alforria ao cativo

6.

Abri a porta do sexo
e depositei meu seixo
A gueixa me deu madeixas
E a queixa veio ao meu queixo
Na cama espicho meu corpo
e nesse esguicho me deixo

7.

Abri a broca dos braços
Furei o muro da intriga
Fiz cama macia e fofa
para curar a fadiga
Diz o famoso ditado
Se um não quer não há briga!

8.

A tromba do elefante
E o rabo do tatu
O dente do javali
O bico do urubu
O peito do avestruz
E as penas do nhambu!

9.

Uirapuru com seu canto
Arara com suas cores
Araponga martelando
O beija-flor entre as flores
E eu sonhando que vôo
Debaixo dos cobertores

10.

peguei a corda no meio
puxei as pontas com fé
passei uma dentro d’outra
firmei com força até
não passar vento nem luz
desate o nó quem quiser

11.

derramei água do copo
depois que lavei a mão
uma mão lavou a outra
um pouco de fricção
e a água escorreu no piso.
Quem enxugará o chão?

12.

Onde é que nasce a lágrima?
E o sorrir, de onde vem?
O medo se aloja onde?
Por que se gosta de alguém?
De quantas rimas preciso
Para fazer cordel bem?

13.

Onde é que se compra tempo
quando tempo não se tem?
Onde se empresta carinho
para fazer no seu bem?
Como viver essa vida
Sem fazer mal a ninguém?

14.

Repare a pele do mar
se contorce, encrespa, estica
Olhe agora para o céu:
Existe pele mais rica?
Por que citar o prepúcio
que uma simples lâmina pica?

15.

Quem não tenta a brincadeira
Não é um bom brincador.
Coisa boa é brincar muito
Seja com qual coisa for.
Mas cuidado pessoal
Não se brinca com o amor!

16.

A brincadeira engrenou
O povo participando
Segurando o pé do verso
e as palavras rimando
O cordel soltando fogo
E a fogueira crepitando!

Anúncios