Conselheiro

por aderaldo

O episódio de Canudos, como está n’Os Sertões, abriu os olhos do Brasil. A República vomita sobre os seguidores do Conselheiro centenas de fardados e seus canhões,

promove um massacre,
estabelece o terror,
o Apocalipse,
o Armagedom.

Era como se um povoado erguido do barro, vermelho como o resto do sertão, fosse a última bastilha a ser vencida para a República poder reinar em paz. E, como no antigo império romano, patrocinou-se a PAX.

O messiânico Antônio Conselheiro passou para a posteridade como um lunático.

Uma obnubilada besta do analfabeto sertão nordestino.
Uma xerografia tosca de Moisés, o libertador do povo hebreu.
Um ogro voraz,
um dragão lançando chamas e enxofre sobre o futuro glorioso da República brasileira.

As insígnias, entretanto, sepultaram os “insanos” numa cratera de insanidade.

Anúncios