Rei Artur e os cavaleiros da Távola Redonda, de Cícero Pedro de Assis

por aderaldo

As adaptações dos clássicos para o cordel é uma tradição. Os livros do povo, como dizia Câmara Cascudo, tiveram sua versão em cordel nos primeiros dez anos do século XX. Encontraremos a Donzela Teodora, a Imperatriz Porcina, Genoveva de Brabante, Rosa de Milão e outros personagens clássicos universais agindo nas sextilhas do cordel. As novelas de cavalaria também passaram por esse filtro poético. Os estudiosos apontam um hipotético ciclo carolíngio, ligado a Carlos Magno com Oliveiros e Ferrabrás, Roldão e até Joana d’Arc. Entretanto a matéria do Rei Artur foi pouco explorada. Talvez a ligação remota com o ciclo arturiano tem se dado com Roberto do Diabo. Agora aparece o Rei Artur, do poeta Cícero Pedro de Assis.

A narrativa é mediada pelo matiz episódico, mas o poeta inicia com uma sextilha primorosa sobre a paixão, para adiantar a trama urdida por Merlin para a concepção de Artur:

A paixão é sentimento

Que deixa o peito arrasado

Porque, sem dó, cega os homens,

Isso é fato consumado.

Há quem cometa loucura

Quando está apaixonado.

Cícero é um poeta senhor do seu ofício no cordel e consciente de sua importância. A estrofe final do seu poema é a marca do caráter literário escrito: o acróstico, a tradicional assinatura e marca poética visível ao leitor. O acróstico de Cícero é primoroso, uma confissão sobre o trabalho que é adaptar:

Concluí a grande história,

Importante e valiosa,

Conhecida em todo o mundo.

E u depois de lê-la em prosa,

Resolvi contar em versos,

Obra que sei que é famosa.


Cícero Pedro de Assis é pernambucano, nascido em Caruaru aos 18 de julho de 1954. Membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, ocupa a cadeira de nº 30, cujo patrono é o grande poeta paraibano José Galdino da Silva – Duda. Radicado na cidade de São Paulo desde 1970, é poeta atuante. Dr. Cilso, como costuma se apresentar, escreveu outras adaptações para o cordel como As aventuras de Robinson Crusoé e Aventuras de Simbá, o marujo (Editora Luzeiro).

Anúncios